Neste canal são encontradas as séries históricas e estatísticas divulgadas pelo IBGE. Os dados podem ser consultados online através de tabelas, gráficos e mapas temáticos ou baixados para análise posterior.

Tema:
saúde - recursos e cobertura vacinal e mortalidade
Ocultar/Exibir Subtema:
indicadores de cobertura - cobertura vacinal

Altas taxas de cobertura vacinal
Alguns técnicos argumentam que altas taxas de cobertura seriam devidas a erros nas estimativas populacionais, que ao levarem em conta a tendência demográfica de década anterior tendem a superestimar o número de menores de um ano de idade. No caso desse indicador isso não se aplica já que as coberturas são sempre muito elevadas e caso houvesse alguma tendência a superestimar o denominador, isso serviria apenas para reduzir as taxas de cobertura e não aumentá-las. É importante ressaltar que altas coberturas vacinais, são também influenciadas pelo denominador. Um exemplo é onde a base de cálculo é o SINASC e este sistema de informação não apresenta boa cobertura (maior ou igual a 90% dos nascimentos estimados), ou quando as estimativas populacionais estão subdimensionadas, ou ainda pela superenumeração do numerador (erros de registros elevando o número de doses aplicadas). (Rede Interagerencial de Informações para a Saúde, RIPSA. Comentários sobre os indicadores de cobertura até 2006)

Periodicidade: Anual Período: 2003-2009
Ocultar/Exibir Definição e comentário

Definição:
Percentual de crianças vacinadas com vacinas Tríplice Viral (SCR - sarampo, caxumba e rubéola). em determinado espaço geográfico, no ano considerado.
A partir de 2003, esta vacina substituiu as vacinas DTP (difteria, coqueluche e tétano) em crianças de 1 ano.



Comentário:
Estima o nível de proteção da população infantil contra doenças selecionadas, evitáveis por imunização, mediante o cumprimento do esquema básico de vacinação.
O número de doses necessárias e os intervalos recomendados entre as doses, para cada tipo de vacina, constam de normas nacionais estabelecidas pelo Ministério da Saúde.
Usos
Analisar variações geográficas e temporais no percentual de crianças menores de um ano de idade vacinadas com cada tipo de imunizante recomendado pelo Programa Nacional de Imunização (PNI).
Identificar situações de insuficiência que possam indicar a necessidade de estudos especiais e medidas de intervenção.
Contribuir para a avaliação operacional e de impacto dos programas de imunização, bem como para o delineamento de estratégias de vacinação.
Avaliar a homogeneidade de coberturas vacinais, calculando o percentual de municípios que alcançam as metas Epidemiológicas, estabelecidas para cada vacina.
Subsidiar processos de planejamento, execução, monitoramento e avaliação de políticas públicas relativas à atenção a saúde da criança e ao controle de doenças evitáveis por imunização.
Limitações
Valores médios elevados podem encobrir bolsões de baixa cobertura em determinados grupos populacionais, comprometendo o controle das doenças.
Imprecisões do registro de doses de vacina aplicadas, principalmente durante a realização de campanhas de vacinação.
A demanda da população não residente aos postos de vacinação, principalmente em campanhas, dificulta a avaliação da cobertura vacinal.
Imprecisões da base de dados demográficos utilizada para estimar o número de crianças com menos de um ano de idade, especialmente em anos intercensitários (Indicadores Básicos - Brasil/ Ministério da Saúde, DATASUS, 2009)
Tipo de dado: Relativo
Abrangência Geográfica: Unidade Territorial: Localidade:

Fonte:
Ministério da Saúde/SVS - Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI) e base geográfica do IBGE e Sinasc.

ver Ministério da Saúde/Indicadores e Dados Básicos - Brasil - 2009



Ocultar/Exibir  Nota   

1. Informações não disponíveis para AL, AP, DF, MG, MS, PB, PR, RJ, RS, SE, SP e TO em 1994, para MG, MS e TO em 1995 e para MG em 1996.
2. Até 2000, o número de crianças menores de 1 ano é obtido a partir de estimativas populacionais não revisadas pelos Censos e Contagens Populacionais. Para mais detalhes, veja as Notas Técnicas do SI-PNI.
3. A partir de 2003, a vacina contra sarampo foi substituída pela Tríplice Viral (SCR - sarampo, caxumba e rubéola) em crianças de 1 ano e a vacina Tetravalente (DTP + Hib) substitui as vacinas DTP (difteria, coqueluche e tétano) e Hib (Haemophilus influenzae tipo b), sendo que esta havia sido implantada em 1999.
4. A partir de 2001, para os estados do AC, AP, DF, ES, GO, MS, PE, PR, RJ, RN, RR, RS, SC, SE e SP, o número de crianças menores de 1 ano e de 1 ano é o número de nascidos vivos captados pelo Sistema de Informações de Nascidos Vivos (SINASC). Para os demais estados, a fonte são as estimativas populacionais do IBGE. Para mais detalhes, veja as Notas Técnicas do SI-PNI.









IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística